Todos eles em um só ser…

14 nov

essa

Era Roberto, suas pernas longas pesadas, cabelos macios, o seu homem das segundas-feiras. Longos beijos e mãos que brincavam pelo corpo no primeiro dia da semana na saída do trabalho.
Roberto garantia o sorriso, a piada fácil. Depois do horário combinado era sempre celular desligado, desculpa esfarrapada.
De tanto Roberto contar histórias, Joana se convenceu de que não ia mais ouvi-las, apenas o queria nas segundas-feiras, nos sorrisos maliciosos e olhares trocados no escritório.

 Cabelo castanho claro todo alinhado, roupas de grife, Rafael o eterno atual ex-namorado. Gostava da família, simpático com as crianças e animais, levava aos restaurantes, era cama morna de vez quando, nome do filho escolhido.  
Era terça, quarta-feira, sábados na madrugada solitária em que ninguém atendia Joana, às vezes domingo, era rotina.

Tatuagem no braço, alargador na orelha, cabelo escuro e pele branca, DJ, era Ricardo. Joana insegura, qualquer dia da semana. Conversa pensada até a mordida nos lábios, o GOSTOSA no ouvido, o puxão no cabelo, as roupas no banco de trás e vidros embassados na rua. Ricardo era não saber de amanhã, não ligar nunca, hoje como se fosse o último dia.

Gustavo franzino, artista, pintor, era cor de uma palheta fria que combina com dia de outono. Mas era bom gosto, companhia agradável, muitas semelhanças, longas conversas ao telefone todos os dias, risada inteligente e nenhum beijo. Gustavo, era sábado no circuito alternativo de cinema, quinta no bistrot, sexta no boteco. Joana às vezes achava que Gustavo era gay e não sabia, ele há muito tempo insistia.

Cabelos cor de sol, olhos de mar, incenso, era Pedro. Pulo de pára-quedas, trilha na mata, aventura, skate, prancha no carro, pé na areia, liberdade.  Noite juntos e acordar abraçados,  quinta e sexta, em tempo nublado sábado e domingo quando ele ligava. Pedro e Joana o compromisso descompromissado, telefone que atende quando quer, escolha predileta, coração disparado, e a distância até onde vai a saudade para não machucar.

Joana era gostar do Roberto, Rafael, Ricardo, Gustavo e Pedro. Para ela, tão diferentes, únicos e complementares. Joana era não ter nenhum deles ou ter todos e precisar de todos em um, nenhum. Nenhum sonho. Joana para eles a apaixonada, para as outras máscara, invejada, solteira, libertária daquelas que não casam.

Joana, ela mesma,  era solidão acompanhada.

 

Mulher sem Razão – Adriana Calcanhoto

PS.:  Queridos desculpem a ausência, em breve terei um monte de novidades aqui e prometo estar mais presente! Este post é uma obra de ficção!  bjos

Anúncios

16 Respostas to “Todos eles em um só ser…”

  1. Daniel novembro 14, 2008 às 9:43 pm #

    Eu simplesmente adoro todo esse disco da Adriana! Ela vai dar shows aqui em BH neste final de semana.

    Esse post me fez querer ouvir ‘Joana Francesa’

    – “Já é madrugada… acorda, acorda, acorda…”

  2. Ricardo Lemke novembro 17, 2008 às 7:11 pm #

    Eu particularmente não gosto da Adriana Calcanhoto (nada contra também) mas do seu texto eu gostei bastante…Além de escrever muito bem, vi um pouco do meu universo masculino nas entrelinhas…..

    Bjão querida, Parabéns!

  3. azrael novembro 18, 2008 às 11:00 pm #

    nao tenho palavras…

    que texto FODA \o/

  4. Anna Clara novembro 21, 2008 às 12:13 am #

    Este post é uma obra de ficção!

    eu ri aqui.

  5. Srta. Bia novembro 21, 2008 às 11:12 am #

    Joana procura em todos a razão para se sentir amada e viva. Joana na verdade talvez deseje apenas ser, ser ela mesma e não precisar de ninguém.

  6. Nada a Declarar novembro 24, 2008 às 2:00 pm #

    Gostei do seu texto. Maneira de escrever inteligente.
    Texto com uma visão única d’uma mulher diversificada, hehe. Encontrei seu endereço em Blogueiro Repórter e, curioso que sou, vim visitá-la.
    Abração do ‘Nada a Declarar’

  7. Elcio novembro 25, 2008 às 1:57 am #

    Li e gostei….tanto q li mt rapido…agora preciso retornar ao texto e degusta-lo.

    É isso aí.
    Bjs e boa semana.

  8. carlam. novembro 25, 2008 às 3:21 am #

    nunca tentei fazer como Joana… acho que sempre estou esperando ser surpreendida pelo próximo e deixo pra trás tudo que dá dos anteriores.

  9. Girassol novembro 30, 2008 às 5:48 pm #

    Adorei esse post! Nossa li e reli alguns pra ter certeza que não era o mesmo rs
    Esse Rafael me deixou intrigada… semelhanças e mera coincidência será?rs

    Estou numa fase Joana total! rs e a delícia é Joana trancender Joana.

    bjs!

  10. pedro favaro novembro 30, 2008 às 11:19 pm #

    Muito bacana…
    Somos todos amantes da vida.
    De várias vidas….

  11. Elcio dezembro 4, 2008 às 9:02 pm #

    Ao ler tantos sonhos, recordei uma musica de O. Montenegro, Tavessuras.

    “[ ]Me disseram que sonhar
    Era ingênuo, e daí?
    Nossa geração não quer sonhar
    Pois que sonhe a que há de vir[ ]”

    É isso aí.
    Bjs

  12. Sil dezembro 8, 2008 às 3:50 pm #

    Simplesmente perfeito!
    Amei!
    Todas nós queremos a vida de Joana!
    ^^

  13. Pedro dezembro 11, 2008 às 7:07 pm #

    Nem todo mundo consegue fazer como Joana.

  14. Robs dezembro 26, 2008 às 1:51 pm #

    Olá Deborah.

    Sempre estou por aqui, nem sempre comento. Adoro seu blog, por isso tem um presente pafra vc lá no meu blog. Passa lá para pegá-lo!

    Feliz 2009.

  15. Carol Rodrigues janeiro 14, 2009 às 3:36 am #

    Será que conseguimos ser Joanas? Mas até que ponto é vantagem/desvantagem ser uma Joana?

    Enfim…

  16. melke maio 28, 2009 às 2:59 am #

    Adorei o Seu texto. Leve, mas com uma significância incrível! Parabéns. Voltarei mais vezes!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: